Blog Tools
Edit your Blog
Build a Blog
RSS Feed
View Profile
« April 2020 »
S M T W T F S
1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30
You are not logged in. Log in
Entries by Topic
All topics  «
A. Reis & M. Cordeiro
Actor
Alain Resnais
Alfred Hitchcock
António Cunha Telles
António de Macedo
António-Pedro Vasconcelos
Bases de Dados
Cinema de Autor
Cinema Português
Clássicos
Clint Eastwood
Colecção
David Lean
Edward Dmytryck
Elipse
Federico Fellini
Fernando Lopes
Francis Ford Coppola
Howard Hawks
Ingmar Bergman
João Bénard da Costa
João Botelho
João Canijo
João César Monteiro
João Mário Grilo
Joaquim Leitão
John Ford
Jorge Silva Melo
José Álvaro Morais
José Fonseca e Costa
Luís Filipe Rocha
Luís Galvão Teles
Manoel de Oliveira
Manuel António Pina
Manuel Guimarães
Maria de Medeiros
Michelangelo Antonioni
Orson Welles
Paulo Rocha
Pedro Costa
Porto
Quentin Tarantino
Roberto Rossellini
Roger Ebert
Shakespeare
Stanley Kubrick
Teresa Villaverde
Theo Angelopoulos
Umberto Eco
Wim Wenders
Woody Allen
WW II
Toda a Memória do Mundo
17/04/20
Sapatos Pretos - João Canijo (1998)
Topic: João Canijo

"Sapatos pretos"

Filme de João Canijo, Portugal,1998

 

Pulp Fiction com coentros

 

João Canijo esteve um longo período sem filmar, depois de "Três menos eu", filme de estreia e de certa forma prometedor no que respeita a toda uma nova geração que já não tinha ligações directas com o cinema novo dos anos sessenta ou com os "anos Gulbenkian" do imediatamente antes do 25 de Abril, que se repercutiu no posterior cinema português por quase duas décadas, e do menos interessante, e já a fazer temer a opção actual, "A filha da mãe".
No intervalo Canijo fez alguns trabalhos para a televisão, de um fracassado "Alentejo sem lei" até uma rotineira mas minimamente certa "sit-com" de importação.
Ao voltar ao cinema Canijo parece ter poucas ideias e o que mais ressalta do filme é o tratamento formal, mesmo se agressivo e pouco convencional, e os comentários frequentes de uma inspiração à Tarantino ou à Almodovar, por detrás de uma história real de crime, reelaborada naturalmente numa ficção (aí a chancela do real e dos problemas actuais, aliados a uma espécie de fórmula sexo e crime parecem exercer uma certa sedução no espectador português , se compararmos com o recente "Tentação" e o tipo de promoção e resposta de bilheteira). Repare-se que esse caminho inclui também Joaquim Leitão, cineasta de uma mesma geração, e a própria escolha da actriz Ana Burstoff reencaminha para o excelente papel secundário em "Adão e Eva" e a presença também em "Tentação".
A temática é portuguesa e cauciona-se pela própria inspiração em casos reais, enquanto o tratamento parece ir buscar modelos importados e, aliás, nem sempre bem digeridos. A partir de uma história de crime e duma certa narrativa desde as primeiras cenas desenvolvida com descontinuidades, poder-se-ia dizer que, de certa maneira, estaríamos perante uma "pulp fiction com coentros", o que não surpreende em Canijo, que em "Alentejo sem lei" também não andou muito longe das referências do "western- spaghetti".
Claro que não é a mistura de referências que poderia comprometer o filme. Se "Sapatos pretos" não funciona é porque Canijo não soube trabalhar as soluções que o seu material ficcional requeria.
Um pouco à Tarantino, Canijo recusa a narrativa clássica como abordagem da história de uma mulher no Alentejo que assassina o marido. Mas o problema é que no cinema de Tarantino convocam-se todo um conjunto de ingredientes, que vão das memórias cinematográficas e do jogo entre as formas como referentes de determinadas realidades que assim surgem com um acrescento em relação aos limites do verosímil cinematográfico, e investe-se no tratamento dramático que pode fazer uma sequência valer pelos dilemas que são encenados e pela sua intensidade independentemente da realidade a que podem fazer referência (veja-se "Cães danados" e mesmo em "Pulp fiction") Em "Sapatos pretos", porém, desarticulada a narrativa clássica não há nada a não ser o puro jogo de cores e de efeitos, de uma imagem onde domina o vermelho e de um contraste que se obtem a partir do inicial registo em video e não em película e de uma pesquisa formal sobre os registos possíveis através de manipulações técnicas. É duvidoso que a opção final tenha tido uma real intencionalidade expressiva, o que, aliás, se pode sustentar na redundância do filme a este respeito (ampliando limitações já visíveis em "A filha da mãe" e também no tratamento da côr, aí mais justificada pela profissão do protagonista como pintor).
Um crime como ponto de partida ficcional, e uma história em que os protagonistas são mais sintomáticos de algo que se expressa neles que verdadeiros actores da sua tragédia, poderia ser a linha de desenvolvimento que seduziu Canijo (e lembremos que Canijo filmara o próprio Paulo Rocha em "Três menos eu", e que "Verdes anos" de Paulo Rocha era o filme emblemático dessa postura no "cinema novo" dos anos sessenta, que hoje podemos compreender muito melhor) mas a verdade é que "Sapatos pretos" fica definitivamente àquem de qualquer pretensão desse tipo, porque lhe faltou o discernimento ou pura e simplesmente o esforço que permitisse encontrar soluções fílmicas para essa leitura.
Assim é um filme em que tudo se parece estabelecer num primeiro grau onde falta a reflexão, não no mundo ficcional mas na própria elaboração fílmica.

A. Roma Torres in Jornal de Notícias 27/4/1998


Posted by A. Roma Torres at 8:21 PM BST
Updated: 20/10/20 3:09 PM BST
Post Comment | Permalink

View Latest Entries